Edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões – Fundações e Estrutura

O projecto, da autoria do Arq. Luis Pedro Silva, é um edifício impar tanto do ponto de vista arquitetónico como estrutural. Localizado num ambiente muito agressivo e contendo elementos estruturais de grande dimensão, foi dada à especial atenção durabilidade e processo construtivo.

O edifício tem uma cave sobre toda a área de implantação, cuja cota de fundo está sempre abaixo do nível do mar, chegando a ter pressões hidrostáticas de 4 m de altura de água. A laje de fundo apoia em estacas e é totalmente impermeabilizada do lado do solo, tal como os muros de contorno da cave.

Para execução das obras enterradas, criou-se uma ensecadeira através de uma cortina de CSM (cutter soil mixing) até à cota do estrato rochoso.

Em elevação o edifício tem uma configuração aproximadamente circular, com um piso térreo à cota do cais e três pisos elevados, em que a cobertura em terraço forma uma bancada inclinada. Entre o piso 2 e o piso 3, assim como entre o piso 3 e a cobertura (bancada) existem pisos parciais que descarregam os são suspensos nos pisos adjacentes.

A estrutura é essencialmente de betão armado, com pilares inclinados com secção circular de grande diâmetro, nos quais descarregam lajes maciças fungiformes com espessuras variáveis entre 35 e 50 cm com capiteis com espessuras típicas de 70 cm.

Envolvendo o edifício existem umas lâminas de betão com geometria muito variada e que funcionam em conjunto com o resto da estrutura.

A equipa técnica da DIMSTRUT, atualmente integrada nos quadros da CONSULMAR, elaborou o projeto variante a fundações e estrutura para o consórcio OPWAY/FERREIRA que foi vencedor do concurso.

Localização: Leixões, Portugal

Dono da Obra: APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões, S. A.