Molhes da barra do Douro

Fustigada pelas grandes tempestades marítimas do Atlântico Norte, a barra do Douro vinha sendo palco de graves problemas para a navegação e para as zonas urbanas ribeirinhas. As soluções técnicas propostas pela CONSULMAR conduziram à construção, pelo consórcio vencedor do concurso internacional, de um quebra-mar destacado com 500 m de comprimento e de um molhe, a Norte, com 450 m, uma estrutura vertical e monolítica, constituída por aduelas e caixotões de betão armado pré-fabricado, cheios com betão e enrocamento. Este molhe é galgável por ocasião das tempestades, mas, fora dessas situações, está prevista uma utilização lúdica, de continuidade com o espaço urbano contiguo. No interior, uma galeria em toda a sua extensão, com vigias, liga a zona de restauração ao farol. Alguns números significativos: 23 000 m3 de betão de alta densidade em blocos artificiais; 16 000 m3 de betão armado em caixotões e outras peças pré-fabricadas; 54 000 m3 de betão para enchimento de células e na superstrutura dos molhes; 300 000 m3 de enrocamento de várias granulometrias nos molhes e retenções; 14 000 m3 de quebramento de rocha no canal e na fundação das obras; 200 000 m3 de dragagens.

Localização: Porto, Portugal

Dono da Obra: IPTM – Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos